Publicado Sexta, 21 de Agosto de 2020 ás 12:37 - Atualizado 21/08/2020 ás 12:37

Sindicato rejeita na mesa propostas da Fenaban e chama mobilização nas redes

Representantes dos bancários disseram não à proposta de acabar com a 13ª cesta alimentação e reduzir a gratificação de função na reunião desta quinta, 20/8

Não é a primeira vez que os banqueiros da Fenaban ameaçam meter a mão no bolso dos bancários para diminuir a renda nesta Campanha Nacional 2020. Depois de levarem para a mesa de negociação proposta de reduzir a PLR em até 48% no início desta semana, agora os banqueiros querem meter a mão mais fundo no bolso de quem trabalha todos os dias para fazer o lucro deles.

Os representantes dos bancos defenderam desta vez o fim da 13ª cesta alimentação e a redução da gratificação de função durante mesa de negociação por videoconferência na quinta-feira, 20/8, com o Comando Nacional d@s Bancári@s. O Comando rejeitou as propostas. Mais uma vez, os bancos não apresentaram nenhuma resposta sobre aumento real ou outras reivindicações.

Na terça-feira, os representantes da Fenaban apresentaram uma proposta de reduzir a PLR. Agora, no encontro realizado nesta quinta-feira, o cenário piorou. Os bancos propuseram a retirada de um direito da categoria já conquistado: a 13ª cesta de alimentação. Também querem reduzir de 55% para 50% o valor da gratificação por função, direito estabelecido na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

O presidente em exercício do SindBancários, Luciano Fetzner, classificou de absurdas as propostas apresentadas pela Fenaban na mesa desta quinta. “Os banqueiros querem tirar do bolso dos bancários a redução temporária dos seus lucros causada pela pandemia. Querem fazer isso atacando nossos direitos. E nós não podemos aceitar isso. Não iremos aceitar nenhum ataque aos nossos direitos. Peço aos colegas que participem das mobilizações virtuais. Vamos fazer o algoritmo trabalhar a favor da luta dos trabalhadores”, afirmou.

Assista ao vídeo em que o presidente em exercício do SindBancários, Luciano Fetzner, chama de absurdo o que os banqueiros estão fazendo nas mesas de negociação.

De fato, em tempos de pandemia, o Sindicato não pode chamar os bancários para passeatas e para fazer pressão nas ruas. Precisamos respeoitar decretos e evitar aglomerações para combater o novo coronavírus e a Covid-19. Por isso, é muito importante que o maior número possível de colegas vá para as suas redes sociais compartilhar a nossa ljuta e protestar contra esses atauqes diretos à nossa renda.

No mínimo, podemos dizer que é uma contrdição muito grande dos banqueiros. Eles falam em crise, querem superar a crise, mas reduzem salários. Somente em 2019, o aumento real nas verbas salariais dos bancários injetou cerca de R$ 10 bilhões na economia brasileira.

Reduzir isso é um tiro no pé dos banqueiros. afinal, o dinheiro que alimenta o consumo costuma voltar para os bancos.

“Não vamos aceitar fechar a campanha com prejuizo para os bancários”

“Foi mais uma negociação que os bancos propõem retirada de direitos, rejeitada novamente pelo Comando. Avisamos que não vamos aceitar fechar a campanha com prejuízo pros bancários. Temos assembleia marcada para terça-feira, dia 25, às 19h. Se insistirem em retirar direitos vão jogar a categoria para greve”, afirmou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, coordenadora do Comando Nacional d@s Bancários.

Perdas

De acordo com cálculos do Dieese, com as propostas apresentadas pela Fenaban na terça-feira, 18/8, e nesta sexta-feira, 20/08, o salário médio d@ bancári@ teria uma perda anual de R$ 13.282,57, levando-se em conta as reduções da gratificação por função, a 13ª cesta e a PLR. A expectativa para a reunião desta quinta era de que a Fenaban apresentasse sua proposta econômica, sobre a reivindicação de aumento real de salário da categoria.

“Cobramos uma proposta global, com reajuste, PLR, Vales, Saúde e Condições de trabalho, emprego”, disse Juvandia. O Comando Nacional da categoria espera que nesta sexta-feira, 21/8, na nova rodada de negociação, a Fenaban finalmente apresente suas propostas para a pauta econômica d@s bancários, definida em uma minuta aprovada em Conferência Nacional, no final do mês passado.

Para a presidenta da Contraf-CUT, a Fenaban se alinha com o governo Bolsonaro na retirada de direitos dos trabalhadores. “Sabemos que a pauta de retirar a 13ª cesta vem do governo Bolsonaro, vimos isso nos Correios. Eles jogaram os trabalhadores dos correios para greve. Querem o mesmo dos bancários?”, questionou Juvandia.

Assembleias

O Comando Nacional da categoria se reuniu após a negociação desta sexta-feira e, além de rejeitar as propostas dos bancos, vai preparar um calendário de mobilização dos bancários em todo o país, a começar pela preparação de assembleias nas bases, marcadas para terça-feira, 25/8.

Próximas rodadas de negociação:

> Dia 21/08 – 11h

> Dia 25/08 – 14h

> Dia 26/08 – 14h

> Dia 27/08 – 14h

> Dia 28/08 – 11h

Fonte: Contraf-CUT